Compor música



COMO COMPOR MÚSICA COMEÇANDO A FAZER MÚSICA DO JEITO CERTO (2)

Dando sequência ao nosso artigo anterior intitulado “Como compor uma música começando a fazer música do jeito certo (1)”, quero levar ao seu conhecimento o método que grandes compositores usam para compor música de qualidade.

O sucesso de muitas músicas depende não só da melodia como também de uma boa composição musical cantada ou tocada por bons músicos de qualquer estilo musical.

Para que você possa ter um desempenho satisfatório é importante que siga a estrutura musical apresentada nesses dois últimos artigos que mostra como fazer música do jeito certo.

Assim você saberá como compor música igual aos grandes nomes da música no mundo.

COMO COMPOR MÚSICA

Para que você possa ter um desempenho satisfatório é importante que siga a estrutura musical apresentada nesses dois últimos artigos que mostra como fazer música do jeito certo.

Assim você saberá como compor música igual aos grandes nomes da música no mundo.

A teoria musical

É bom que se tenha conhecimento básico de teoria musical abordando a facilidade da leitura da partitura, englobando praticamente todo o conteúdo necessário para o domínio de uma leitura musical (notas, ritmos, claves, compassos, expressões, andamentos, etc.)

E a estruturação musical (escalas maiores menores, intervalos, acordes, tonalidades, modos, etc.) também tem sua importância.

Isso ajudará a montar uma estrutura musical completa com letra e música facilitando muito suas anotações e revisões da composição.

O clima da música

Confirme-se de que a música combine com a história.

Se ela for triste, então você pode querer que a melodia evoque tristeza (desacelerando-a ou adicionando alguns acordes menores, por exemplo).

Você pode querer adicionar uma reviravolta e combinar letras tristes com uma música acelerada para criar um estado de tensão e ambiguidade.

Fale algo

Uma canção pode fazer sucesso com uma péssima letra.

Você possui uma chance melhor de escrever uma canção realmente boa se a letra for ótima. Isso não significa que a letra tenha de ser séria, mas ela também não pode ser clichê ou constituída apenas por murmúrios.

Escreva a letra como se estivesse conversando com alguém que queira impressionar ou com alguém que lhe faça sentir alguma emoção profunda.

Faça suas palavras cantarem

Letras podem atrair emoções, e também devem agradar o ouvido.

Há diferentes maneiras de fazer isso.

Palavras devem se encaixar ao ritmo que está sendo criado na música, sendo que o som produzido por essas palavras também é importante.

Algumas palavras são mais suaves que outras (por exemplo, “brisa boa” soa melhor que “vento frígido”).

Use a forma e o caráter das palavras para adicionar uma sensação à música.

Outra ferramenta útil para o compositor é o dicionário de rimas.

Há diversas maneiras pelas quais você pode rimar em uma canção quando há o desejo de não deixar pontas soltas na letra.

Aprenda sobre todas as ferramentas poéticas que puder e tente fazê-las funcionar.

Você pode rimar no final de cada verso. A rima também pode aparecer mais esporadicamente.

Você pode também criar rimas dentro dos versos para criar um bom efeito (pense nas letras do rap).

Há também vários outros dispositivos poéticos que podem ser usados, como a aliteração (“Pavimentaram o paraíso, pondo lá um ponto de parada”).

O som “P” é repetido. E assonância (“… Honestidade, prometa-me que eu jamais esconda a verdade).

O som “Oh” repetido em “honestidade”, “prometa” e “esconda” cria esse efeito.

Porém, não se estresse com a rima!

Você pode fazer uma frase se destacar ao evitar jeitos convencionais de encaixá-la na música – muitas canções de sucesso não possuem rimas.

Repetição e variedade

Tente criar um equilíbrio entre repetição e variedade.

A repetição faz com que a música seja contagiante: refrãos repetidos, por exemplo, ficam presos em nossas cabeças mesmo quando o resto da canção permanece obscuro.

É fácil pedir para que o público cante junto o refrão.

É por isso que tantas pessoas conhecem apenas algumas partes de várias músicas.

Mesmo que “haja” boas canções simples ao ponto de não terem refrão e de sempre seguirem a mesma fórmula, os mesmos esquemas de rima e os mesmos acordes o tempo todo, a maioria das pessoas se sente incomodada com isso.

O jeito mais comum de adicionar variedade à música é inserir uma ponte nela.

Uma ponte é uma seção da música, ocasionalmente instrumental, que possui uma tonalidade diferente da encontrada nas estrofes e no refrão.

Ela normalmente é colocada perto do final da canção, antes do último refrão, onde normalmente haveria uma estrofe.

A ponte pode estar em uma chave diferente – usando um grupo de acordes diferente – da do resto da canção, mas isso é desnecessário.

Ela também pode ser mais rápida ou mais lenta, mais curta ou mais longa, ou totalmente diferente de outras partes.

Algumas vezes, a ponte é seguida por um refrão menor – isso depende da extensão da ponte.

Esteja atento ao fato de que pontes também podem se referir às transições entre estrofes e refrãos, sendo que esse é um uso comum delas.

Onde está o gancho

O gancho é a parte elusiva de uma ótima música que captura sua alma e faz você querer escutar a música várias e várias vezes.

Ganchos frequentemente são encontrados em refrãos e normalmente se tornam o título da música.

Curso completo de guitarra

Infelizmente, não há receita para ganchos, mas você saberá que possui um ao criá-lo.

Melhor ainda, seus amigos indicarão isso a você, pois essa será a parte da música que não sai da cabeça deles.

Aqui estão alguns exemplos:

”Nossa… Nossa… Assim você me mata”. Se você já escutou ao menos uma vez esse hit do Michel Teló, é provável que esse gancho tenha se grudado em sua cabeça.

Oppan Gangnam Style”. O hit surpreendente de PSY possui um gancho que atraiu milhões de visualizações e centenas de paródias – um sinal de um gancho realmente marcante.

Na música “Amor de Chocolate”, o gancho poderia até ser a contagem: “1-2-3-4”.

Na músicaHey Jude”, o gancho poderia ser a parte final: Naaa, naa naa, nana naa naaaaaa, nana naa naaaaaaa, hey Jude, que se repete até ficar chato.

Bons ganchos fazem com que as pessoas se lembrem das letras das músicas, mesmo quando ambos os fatores não coincidem.

Muitas pessoas conseguem se lembrar do riff de ‘Smoke on the Water‘ logo após escutar o título da música.

As partes que não se encaixam

Apare as pontas soltas. Se algumas partes não se encaixarem, tente criar uma transição. Coloque as partes de sua música em uma mesma chave.

Aprenda tocar bateria

Se houver alguma mudança de tempo (velocidade) entre duas partes, tente alterar a velocidade gradualmente enquanto entra e sai da parte que não se encaixa com o resto da música.

Tente adicionar um interlúdio instrumental breve que leve a música de uma parte à outra.

Ainda que seja possível que duas partes não pareçam se encaixar numa mesma música, é possível que você tenha começado uma metade com a métrica errada ou com um ritmo impreciso.

Consiga opiniões

Toque ou cante sua música para outros e consiga as opiniões deles.

Você provavelmente compreenderá melhor o que eles pensam após escrever algumas músicas: amigos e familiares lhe dirão que sua primeira música é ótima (mesmo se ela for horrível).

Quando eles escutarem mais músicas suas, eles provavelmente lhe darão dicas como “É boa, mas eu gostei mais da sua primeira” ou “Bem, essa é a melhor música que você escreveu.

Ela é realmente boa”. Esteja preparado para um crítico que não aceite coisas que tenham sido gravadas e pós-produzidas em estúdio.

A primeira composição

Ao escrever a primeira música, não pare.

Continue escrevendo e praticando e você eventualmente ficará cada vez melhor.

Você pode precisar escrever muitas canções antes de conseguir uma realmente legal – e, mesmo após isso, ainda será necessário escrever muito mais antes de encontrar outra boa composição.

Trabalhe duro e se divirta!

ALGUMAS SUGESTÕES

As vezes não conseguimos acertar na primeira tentativa, não se fruste, tenho algumas dicas que irão ajudar compor música com mais segurança e desenvoltura. Olha só:

Orientação

Não tenha pressa. A maioria das músicas não aparece do nada.

Elas não chegam e dizem “Oi, estou aqui, me componha!”.

Como diz o velho ditado “coisas boas levam tempo, mas coisas realmente boas acontecem em um piscar de olhos”. Então espere por elas. Um dia você chega lá.

Se você realmente encalhar, faça rascunhos sobre o que você está sentindo ou sobre o que quer falar.

A letra irá aparecer quando você ver letras no papel. Isso pode dar um pouco de trabalho, mas já é um começo.

Ajuda muito saber tocar algum instrumento. Saber como tocar um violão ou piano, por exemplo, irá fazer a composição sair muito mais fácil.

E mais, você conseguirá acompanhar a si mesmo quando estiver cantando para outros.

Se você não tem um instrumento, tente usar o google para achar alguns compositores eletrônicos de músicas, como o Guitar Pro.

A dinâmica é uma ótima ferramenta para separar diferentes seções da música. Mais quieta para estrofes, mais alta em refrãos.

A dinâmica pode ajudar a criar um gancho memorável para seu refrão.

Tente a famosa fórmula da composição de músicas: EstrofeRefrãoEstrofeRefrão – Ponte – Refrão.

É bem simples e eficiente.

Atualmente a maioria das músicas populares tem algumas variações na seguinte sequencia: intro, estrofe, refrão, estrofe, refrão, ponte/solos, refrão.

Algumas vezes a ordem desse componente é diferente, e algumas vezes um ou outro está ausente.

Certifique-se que sua música é cativante, mas não de uma forma irritante.

Você pode fazer uma gravação sua em um celular.

Caso não consiga, ligue para si mesmo e cante uma mensagem de voz.

Certifique-se de cantar alto o suficiente para conseguir escutar a mensagem depois: faça com que os outros achem que você é maluco!

Várias maneiras de fazer som

Experimente várias maneiras de fazer som.

Tente tocar um instrumento que não lhe seja familiar. Os “erros” podem ser inspiradores.

Como aprender tocar flauta tranversal

Outro excelente jeito de compor uma música é escrever um poema de versos livres com um pouco de rima.

É bem fácil compor músicas quando você não pensa nela como música, e sim como poema.

Escreva seu poema e então o edite para encontrar os refrãos, versos, e estrofes certos.

Colabore e ouça outros compositores. Algumas pessoas conseguem escrever grandes letras, mas não conseguem elaborar uma melodia, e vice-versa.

Encontre algum compositor parecido com você que possa colocar as letras na sua música. Muitas músicas de sucesso foram escritas em parceria.

Recomendação

Tome cuidado com as rimas.

Não escolha uma palavra só porque ela rima com a outra – tenha certeza de que as palavras fazem sentido na música.

Faça uso de dicionários de rima: eles podem ser muito uteis, mas se você usá-los demais, você fica sujeito a perder a prática e não soar bem.

Não se esqueça de patentear sua música

Evite plágios. Naturalmente, você não quer copiar exatamente as palavras de uma música de sucesso.

Mas um outro problema mais sutil é o plágio inconsciente, onde o compositor não percebe que está copiando uma outra música.

Isso aconteceu antes em músicas como “Spirit in the sky”, que é muito confundida com o hit do ZZ Top “La grange”.

Se você se preocupa que sua música possa sair igual a outra, você está certo.

Toque o quanto você puder para as pessoas, e veja o que elas acham.

Você precisa evitar que pessoas confundam sua música por outra, ou elas podem não lhe dar crédito pela sua escrita.

Tente algo novo! Seja original e experimente diversas modalidades.

Quem disse que você sempre precisa rimar ou ter um refrão?

O fluxo de ideias

Não fique atrelado à estrutura “estrofe-refrão”.

Muitas músicas excelentes são escritas com um único fluxo de ideias em vez de ter uma ideia repetida múltiplas vezes.

Talvez aquele “gancho” criado funcionaria melhor como um “clímax” único construído pelo resto da canção.

Não tenha medo de ser criativo. Adicionar variedade à estrutura da canção gera uma variação musical mais rica.

Não tenha medo de experimentar coisas novas. Muitos músicos influentes e bem conceituados obtiveram sucesso ao escapar de convenções.

Não se sinta preso ao que é considerado contemporâneo ou seguro.

A música é uma arte – sendo assim, é o trabalho mais recompensador criado pode ser o mais diferente.

Muitos gêneros musicais ignoram estruturas convencionais de composição (por exemplo, o rock progressivo se estruturou de maneira a não haver refrão ou estrofe discernível).

Com experiência, você aprenderá o rumo que deseja para suas músicas, e deverá seguir a intuição.

NOTAS:

Deixe seus comentários,compartilhe e de um like.

Fonte de pesquisa: WikiHow, Vagalume,

Quer aprender tocar violão? Assista uma vídeo aula gratuita do minicurso de violão básico. Veja como é fácil, você pode tocar!

Julio Vianello

Julio Vianello é empreendedor digital desde 2013. Acredita que o marketing digital é um mercado em expansão e seu objetivo é ajudar as pessoas a ter seu espaço no mundo digital através de inúmeras possibilidades que surgem a cada dia.

O objetivo desse blog é de colocar à disposição dos amantes da música as oportunidades de interagir no mundo da música aprendendo a tocar instrumentos musicais

Website: http://instruase.com